ECONOMIA – Auxílio emergencial pode ser pago por mais três meses

Publicado em: 26 de novembro de 2020 | Categoria: Sem categoria

Considerando a dificuldade do Governo Federal em estabelecer um substituto para o Bolsa Família conforme intencionado, alguns parlamentares têm se mostrado favoráveis à prorrogação do Decreto de calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19.

A proposta é adiar o prazo que, a princípio, termina no dia 31 de dezembro de 2020, por mais três meses em 2021.

Diante desta possível prorrogação do Decreto, entende-se que também seria necessário e, até mesmo viável, dar continuidade aos pagamentos do auxílio emergencial, considerando que uma das normas que dispõem sobre a concessão do benefício é que, a vigência dele é equivalente ao do Decreto de calamidade pública.

Caso o auxílio emergencial fosse estendido, o Governo Federal também teria mais tempo para se concentrar na criação de um novo programa de transferência de renda e, apesar da resistência do Governo, o plano tem se fortalecido entre os congressistas.

Vale lembrar que essa não é a primeira vez que o Decreto e, consequentemente, o prazo do benefício são ampliados, muito menos que ambas as alternativas continuam em debate entre os políticos.

Em outra ocasião, o político já havia discutido sobre o tema na comissão mista responsável por analisar os gastos com o combate ao coronavírus, mais precisamente no início do mês de outubro.

De acordo com o vice-líder do PSD no Senado Federal, Vanderlan Cardoso (GO), que também compõe a base aliada e a comissão da reforma tributária, declarou que apoia a prorrogação do Decreto de calamidade pública.

Entretanto, o parlamentar destacou que, a proposta não é prevista pelo Governo.

“Eu acredito que vai se estender por, pelo menos mais dois ou três meses, pelo menos no início do ano.

Essa pandemia até o fim do ano não vai diminuir assim, e o decreto é o caminho”, afirmou o senador.

Ministro da Economia nega a prorrogação

Na oportunidade, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou no dia 16 de outubro, uma nova prorrogação do auxílio emergencial.

Por outro lado, defender a premissa de deixar uma brecha para cionar um novo orçamento de guerra, caso surjam novas ondas do coronavírus no país.

“Se a Covid voltar em 2021, é diferente.

Mas é totalmente indesculpável usar uma doença para pedir estímulo artificial.

Isso é uma fraude, é falso, é indesculpável, é má política.

É comprometer a futura geração por um ato covarde”, ponderou o ministro ao ser questionado sobre a prorrogação.

Paulo Guedes ainda afirmou que o Governo não tem nenhuma intenção em estender mais uma vez, o estado de calamidade pública, consequentemente, o auxílio emergencial também não deverá ser prorrogado.

“Não é nossa intenção, não é o que o presidente disse, não é o que o ministro quer de maneira alguma.

Temos de ter responsabilidade pelo nosso orçamento e mostrar que temos responsabilidade e força para pagar pela nossa própria guerra e, não deixar [a conta] para nossos filhos”, justificou o ministro.

Notícias Empresariais

ORGANIZAÇÃO - Pirâmide de Maslow: Conheça esse método para alcançar a organização financeira!

07/02/2023

Com toda a certeza, você já ouviu falar, de diversas maneiras, sobre como deve organizar suas finanças pessoais para que evite passar sufoco em determinado momento. Seja com a contratação de um consultor financeiro, à...

leia na integra

ENTENDA - Empresa pode controlar ida do trabalhador ao banheiro?

07/02/2023

Você já passou pela situação onde o seu chefe ficou reclamando de suas idas ao banheiro? Ou ao menos já ouviu alguma reclamação de que alguém passa tempo demais indo ao banheiro? Essa é uma...

leia na integra

REFORMA TRIBUTÁRIA - Sua empresa está a par das recentes medidas fiscais?

07/02/2023

Em matéria tributária, o novo governo, mesmo com pouco tempo de mandato, já soma bastante modificações e novidades que movimentaram o setor e impactam tanto na área fiscal quanto tributária de todas as...

leia na integra

TRABALHISTA - Fim da demissão sem justa causa está na pauta do judiciário

07/02/2023

Estima-se que, no primeiro semestre de 2023, o STF julgue a ação sobre a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Muita polêmica e interpretações equivocadas têm surgido em torno de tal julgamento,...

leia na integra

REFORMA TRIBUTÁRIA - Reforma tributária reduz tributação sobre consumo dos mais pobres e eleva dos mais ricos, mostra estudo

07/02/2023

Um estudo realizado pelo Centro de Liderança Pública (CLP) mostrou que as propostas de reforma tributária do consumo, em discussão no Congresso Nacional, reduzem a carga para 96% dos brasileiros e eleva a renda de todos os...

leia na integra

Obrigado pela visita!

Copyright (c) 2017 - Todos os Direitos Reservados -